Hoje tive oportunidade de vivenciar uma experiência pedagógica no Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Câmpus Londrina do Instituto Federal do Paraná. A intervenção contou com a presença dos Professores Fernanda e Rogério e o objetivo da mesma foi estudar o impacto do processo de industrialização para o meio ambiente. Fui apresentado à turma e externalizei minha satisfação e emoção em ver um projeto como este, de um processo pedagógico que rompe com aulas tradicionais expositivas e processos pedagógicos já consolidados. Então, falei da política pública de um governo popular que possibilitou uma escola técnica para os trabalhadores e seus filhos, que oportunizou a abertura de cursos para a inclusão social, bem como da política da gestão atual, de viabilizar 80% das vagas para cotas sociais. Na sequência, a Luiza, ligada aos movimentos estudantis, fez uma explanação sobre a importância de constituição de um Centro Acadêmico do curso e de um Diretório Central dos Estudantes para o Câmpus Londrina.

Após isto, os estudantes definiram o produto das intervenções a partir do cumprimento dos objetivos, que, democraticamente, elegeram elaborar um jornal virtual para disponibilizar os artigos e produtos finais do referido objetivo.

Por fim, a intervenção do dia teve como base o documentário intitulado “O Mundo Segundo a Monsanto”, de Marie-Monique Robin, que denuncia os problemas oriundos dos transgênicos, as implicações à saúde e ao meio ambiente, bem como os fatores de corporativismo e complacência do poder público, em permitir que exista uma “porta giratória” entre a empresa e os representantes do executivo e legislativo, cujos membros faziam alternância entre atuações políticas e atuações na corporação, o que viabilizou seus interesses e a aprovação comercial do produto. Tal exposição permitiu discussões e reflexões entre os estudantes e mediadores. Mais informações sobre a Monsanto podem ser acessadas no documentário abaixo:

Fotos de algum dos momentos da intervenção: